sábado, 29 de outubro de 2011

Terceiro vazio

"Gaste seu amor. Usufrua-o até o fim. Enfrente os bons e os maus momentos, 
passe por tudo que tiver que passar, não se economize. Sinta todos os sabores que o amor tem, desde o adocicado do início até o amargo do fim, mas não saia da história na metade. Amores precisam dar a volta ao redor de si mesmo, fechando o próprio ciclo.
 Isso é o que libera a gente para ser feliz de novo." Martha Medeiros

O terceiro vazio foi o pior. Foi o vazio do 'adeus'... foi o vazio do 'recomeçar sem você'.
Deu-me raios de sol e partiu numa tarde nublada.
Eu não queria acordar. Eu tinha dúvidas e medos. É tão trabalhoso recomeçar do zero, contar tudo novamente: sonhos, metas, o que gosto e o que não gosto. Na verdade tinha preguiça de recomeçar.
Você costumava ser legal, o que aconteceu? Tantas perguntas sem respostas. Quem vai me trazer de volta?

Às vezes quando me recordo de você parece ser impossível respirar, me embrulha o estômago, parece que não voltarei a sorrir. 
Te esperei nos bastidores e você fugia com um coadjuvante qualquer. Eu aposto como você acha que é exagero, mas o que eu faço com a imensidão de sentimentos nobres que tenho por ti?
Então, por hora, eu me limito a não lembrar de ti.

-Você sabe que não passará disso né? Seremos somente amigos.
Doeu ouvir e assimilar tal frase. Talvez tivesse medo por eu descobrir imperfeições.

Eu tentava transformar um sonho cremado prematuramente em algo com o nosso antigo brilho. Impossível.
Tentava enfatizar que erros acontecem e que poderíamos sim, se ambos realmente tentassem com o coração e a alma limpa, ser felizes novamente.
-Agora que nos conhecemos talvez seja melhor do que antes. Agora não há máscaras.
Me agarrei a um amor que naufragava. Usei desses recursos (infundados eu sei), mas não me arrependi.
Fechou a porta do meu carro e saiu.
Eu apenas disse adeus com palavras, morri uma centena de vezes depois que você se foi e continuo de luto.
Me enganei como sabia que me enganaria...
Não obtive respostas. O silêncio e o vazio me invadiu de uma maneira brutal, não tive forças para evitar, nem mandá-los embora.
(...) não olhei, deixei partir, rolou pelo meu rosto todos os resquícios frios e salgados de um amor que chegou ao fim.
Aqui, no fundo do meu peito, jaz os nossos momentos.


AGOSTO


SETEMBRO


OUTUBRO


Depois dos vazios me permitir rasgar nossas páginas, nossos elos quebrei um a um, desde perfil bloqueado em redes sociais, passando por endereços de e-mail's excluídos, telefones celulares e residenciais fora da lista de contatos. Hoje quando olho o que passou não tenho nenhum sentimento por ti, o que é muito triste, principalmente para você. 
Você ficou no passado, não quero mais vasculhar o pouco que sobrou. Quebro nossa imagem, visto uma camisa quadriculada nova, borrifo otimismo, confiança e esperança, engarrafados em frascos de 50ml e saio...
...SAIO PARA SEMPRE DA SUA VIDA.

Um seguiu para o norte, o outro para o sul. Naquela tarde o amor resolveu dobrar para o oeste. Passou ao lado de um imenso pé de Flamboyant florido e seguiu em direção ao próximo casal disposto a ouvi-lo.
FIM

Autores dos rabiscos: eu e Nadine

Antes disso: Despedida [Prólogo] (I), Jaz [Introdução] (II),  Primeiro vazio (III) e Segundo vazio (IV)


9 comentários:

Marcela Alves disse...

Há que lindo! como todos os outros né.. Voce e Nadine escrevem muuito bem!

Mas é sempre triste o fim do amor, um dos dois sempre sofre mais..


beeijos!

Luna Sanchez disse...

A maior das armadilhas é um relacionamento na zona de conforto, Eder. Isso nos deixa torpes e com preguiça, como a Nadine e tu disseram também. E ter preguiça de si é quase morrer um pouco.

Sempre, sempre lindo e tocante.

Beijos aos dois, que são, pra mim, uns queridos.

RENATO VIDAL S. disse...

love is sweet endings are always painful, the emptiness is endless, for ever cease to love will always be a challenge, it's like pouring a bottle of chili and leave no trace of her scent to fill it with other content, as always beautiful lyrics , Eder Greetings, Greetings Nadine.

SilverLux (Éverton) disse...

Li todo o "conto" e tiro meu chapeu, aplaudo de pé e encolhome em minha cama e choro, verdadeiramente, por perceber que todas as palavras dizem da minha atual "sorte"... espero conseguir viver o terceiro vazio em breve.
Ah, e que honra estar em sua pagina... obrigado por esse carinho e afago... meu ego estava precisando disso! Gde abraço...

Surrender... disse...

Todo Amor quando se vai deixa um imenso vazio, uma tristeza profunda e uma sensação absurda de incapacidade. Realmente é tão cansativo pensar em recomeçar e muitas vezes falta coragem também, recomeçar significa admitir que acabou, admitir que outro dia vai amanhecer e que quem vai estar ali dormindo de conchinha conosco será a solidão.O coração dentro do peito em estado de emergência e tudo em volta é dor.
Mas como nos mesmos não esperavamos mais, sobrevivemos e conseguimos passar por tudo isso novamente.

Marcela Alves disse...

Muuuito obrigada pelos parabens Eder.. ;p


beeijos

Bruno Gaspari disse...

Parabéns, de pé, pelo conteúdo e arte do blog. Ótimo!

Esse post tá com texto irretocável.

Abraço

FelisJunior disse...

Olá! Eder...vim retribuir a sua participação em meu blog...e um relacionamento só flui, se realmente não se estagnar, parar no tempo....o novo sempre vem....
Abraços e obrigado!

ps: estou tentando me cadastrar no seu blog...desde ontem...parece q consegui...se nw aparecer no seu gadget, me avise, please?

Eder Fabricio disse...

Marcela, obrigado.

Luna agradeço o 'querido', você também é! Beijos

Renato, Tks!

Everton, volte sempre, um abraço.

Surrender,te amo, e você acompanhou de perto toda a história né?

Bruno, obrigado pelas palavras, gostei do seu blog também, abraço.

Junior, já está nos meus seguidores viu, fica tranquilo. Volte mais vezes.